Notícias

Publicada em 09/04/2012
O Sistema de Informações sobre Mortalidade, entre 2000 e 2008, registrou 1.669 óbitos por intoxicação por agrotóxicos, excluindo-se os homicídios e suicídios. Desses, 689 ocorreram entre os trabalhadores da agropecuária. Os dados estão na edição de março do Boletim do Centro Colaborador em Vigilância dos Acidentes de Trabalho da Universidade Federal da Bahia.

Os trabalhadores da agropecuária desenvolvem atividades reconhecidas como de elevado risco de acidente de trabalho, destacando-se como causa imediata os envenenamentos por agrotóxicos. Esses trabalhadores realizam atividades de aragem, semeadura, irrigação, cuidado com a plantação durante o crescimento, colheita, armazenagem, embalagem, fertilização do solo, controle de pragas, cuidado de animais, atenção à saúde de animais com o uso de substâncias veterinárias, dentre outras, que podem envolver o emprego de substâncias tóxicas. Acidentes de trabalho devidos a intoxicações por agrotóxicos (AT-AGR) correspondem a envenenamento intencional ou não intencional, decorrente da ingestão, inalação ou absorção dérmica de substâncias químicas, que tenha ocorrido durante a realização de atividade de trabalho ou em deslocamentos relacionados ao trabalho.

Leia mais no Boletim

Fonte(s): Renast online
http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/29964
Maria Emilia Pacheco
Em seu discurso de posse, nesta quarta-feira, a nova presidenta do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), a antropóloga Maria Emília Pacheco, criticou os agrotóxicos e os alimentos transgênicos.

Evento em São Paulo traz palestras sobre impactos dos agrotóxicos no meio ambiente e de que forma esse componente atua na saúde e na alimentação das pessoas

A Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida realizará neste sábado (14/4) o primeiro encontro para discutir as principais realizações e objetivos do grupo. 
 
O evento organizado pela AAO (Associação de Agricultura Orgânica), entidade que defende o direito das pessoas a uma alimentação sadia e equilibrada, acontecerá no Parque da Água Branca, zona oeste de São Paulo, e será aberta ao público. Além da AAO, a ação conta com o apoio do Idec e do Instituto Kaíros, entidade que tem como propósito atuar na promoção e difusão do Consumo Responsável e do Comércio Justo.
 
Durante o evento serão apresentadas palestras sobre agrotóxicos no meio ambiente e de que forma esse componente atua na saúde e na alimentação da população. 
 
O que? Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida
Quando? Sábado (14/4), das 13h30 às 18h30
Onde? Auditório Paulinho Nogueira - Parque da Água Branca - Av. Francisco Matarazzo, 455, Perdizes, São Paulo, SP
convite do encontro - divulgação

Nós, da
 Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida , através do Comitê do Estado de São Paulo, gostaríamos de convidá-los para o primeiro encontro que faremos em 2012 para debater as nossas realizações e objetivos.
O local é um ponto de referência para todos que promovem os alimentos orgânicos e a ecologia: o Parque da Água Branca em São Paulo. E o evento é aberto e gratuito.
Será um dia importante para somarmos nossas forças e atuarmos juntos para transformar a grave situação em que se encontra nosso sistema de produção e consumo de alimentos.
Venham conhecer a campanha e criar ideias conosco para fortalecê-la. Divulguem para os amigos. Esperamos todos lá!
Especialista em gestão de resíduos orgânicos e professor do Departamento de Tecnologia e Ciências Sociais (DTCS) do Campus III da UNEB, Paulo Augusto da Costa Pinto revela que no Mercado do Produtor de Juazeiro, considerado o quarto maior do país, e em Petrolina, não há registros de análises de resíduos de seus produtos hortifrutigranjeiros. Para o pesquisador, alguns produtos podem ter resíduos e causar danos à população.

Entrevista publicada em Ciência e Cultura Agência de Notícias em CT&I, da Universidade Federal da Bahia (Ufba)*.



Ciência e Cultura – O Brasil é um dos países que mais utilizam agrotóxico. O que isso revela em relação ao futuro na agricultura?

Paulo Pinto – Desde 2008, o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo. Se essa forma não inteligente de produção agrícola persistir, os resultados em termos de saúde da população serão cada vez mais desastrosos. No entanto, é crescente o nível de conscientização das pessoas sobre os efeitos danosos dos agrotóxicos, sobretudo quando utilizados indiscriminadamente. Esta conscientização já notada em muitas partes do país, inclusive em nossa região. E isso poderá sinalizar para dias melhores, não sendo, entretanto, fácil a mudança do paradigma assumido nas últimas décadas, face aos interesses das empresas dos agrotóxicos no Brasil.

logo agrotoxicos quadrado

Consideramos um desreipeito, como leitores do jornal e como ambientalistas atuantes no setor, nos depararmos com uma matéria tão absurda e parcial como a que presenciamos na Folha de SP de quinta feira, dia 29 de abril de 2012.

Na citada matéria, o diretor mundial de uma empresa poderosa, como única fonte ouvida, afirma que as organizações que atuam no campo da agroecologia hoje já não combatem os sistemas (compostos por sementes transgênicas e fortes agrotóxicos) comercializados por ela, reconhecendo que é preciso abrir espaço de diálogo em função do cenário atual, em que água e desmatamentos são pontos problemáticos para a garantia de alimentos a todos.

Nós, integrantes da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida, bem como as pessoas e as organizações que trabalham diariamente para que as grandes multinacionais como a referida empresa não destruam a possibilidade de termos um mínimo equilíbrio socioambiental no país, solicitamos o direito de sermos ouvidos e de ressaltar nosso profundo repúdio às declarações falaciosas do senhor Hugh Grant.

Empreiteiros são obrigados a usar o veneno. Quem não usa tem o pagamento retido. Funcionários não usam luvas ou qualquer outro instrumento de proteção

do Boletim da AS-PTA

Empreiteiros responsáveis pela manutenção das ruas estão fazendo a chamada capina química em todas as ruas de Cabo Frio. O produto usado é um agrotóxico de alta periculosidade. O uso desse veneno em área urbana é terminantemente proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA.

O blog [de Dirlei Pereira] registrou com fotos o momento em que funcionários de uma empreiteira aplicavam o produto. Os dois funcionários estavam sem luvas, sem botas e sem roupas especiais de couro, como manda o rótulo do produto.

22 de março de 2012

Uma audiência pública, realizada na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal, discutiu, nesta quinta-feira (22/3), o Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos (Para) da Anvisa. Os dados mais recentes do Programa apontaram que 28% das amostras analisadas estavam insatisfatórias. As principais irregularidades verificadas foram: presença de agrotóxicos não autorizados para a cultura analisada ou teores de resíduos de agrotóxicos em níveis acima dos autorizados.

Durante a audiência, o gerente geral de toxicologia da Anvisa, Luiz Cláudio Meirelles, ressaltou que o Para tem se firmado com uma ferramenta importante para auxiliar os gestores de saúde na tomada de decisões relacionadas a agrotóxicos. “O programa trabalha para que a qualidade dos produtos que chegam à mesa dos brasileiros seja a melhor possível. A presença de resíduos de agrotóxicos pode representar um risco”, afirmou Meirelles.

Apesar de contexto desfavorável ao crescimento de escala da produção agroecológica no Brasil, sociedade civil não se furta do papel de provocar um debate político com o governo.
Verônica Pragana - Asacom

Denis Monteiro, secretário nacional da Agência Nacional de Agroecologia
Denis Monteiro, secretário nacional da Agência Nacional de Agroecologia (ANA) | Foto: Divulgação

O governo federal e a sociedade civil organizada estão empenhados na elaboração da Política Nacional de Agroecologia e Sistemas Orgânicos de Produção. De 10 a 12 de abril, acontecerá em Brasília, um Seminário Nacional no qual serão consolidadas as propostas das organizações e movimentos sociais do campo para esta política. O evento acontece após seminários em todas as regiões do país. A Agência Nacional de Agroecologia (ANA) anima os processos de reflexão e proposição da sociedade civil e tem intermediado o diálogo com o governo. Apesar do desejo dessa política se tornar, de fato, um conjunto de diretrizes que favoreçam a ampliação da escala de produção de alimentos agroecológicos,  as organizações e movimentos do campo acreditam que esta expectativa não será atingida no atual cenário de hegemonia do agronegócio. Mesmo sem chance de vencer essa disputa, não se furtam do seu papel de provocar um debate político com o governo e dar mais visibilidade aos exemplos práticos de produção de alimentos saudáveis para consumo dos brasileiros sem agressão aos recursos naturais. Para falar sobre o papel da sociedade civil e do governo na relação com a agroecologia e fazer uma leitura do contexto político atual, a jornalista da Asacom, Verônica Pragana, entrevistou o engenheiro agrônomo e secretário executivo da ANA, Denis Monteiro. Confiram!

O atual modelo de desenvolvimento do Brasil favorece o agronegócio, os latifundiários e as empresas multinacionais. Essa é uma afirmação do Movimento Sindical de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (MSTTR), composto pela CONTAG, pelas Federações de Trabalhadores na Agricultura (FETAGs) e pelos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais (STTRs). Essas entidades, representadas por cerca de 5 mil assalariados e assalariadas rurais, estiveram na tarde desta terça-feira (20 de março) em frente ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, para denunciar as medidas adotadas que inviabilizam o fortalecimento da agricultura familiar, a manutenção dos postos de trabalho no campo e melhores condições de emprego e renda aos assalariados e assalariadas rurais de todo o país.

Cerca de 150 assalariados e assalariadas rurais de vários estados estão reunidos na manhã desta terça-feira (20 de março) na Praça dos Três Poderes, em Brasília, em um ato com caixões pretos representando os casos de morte de trabalhadores e trabalhadoras rurais pelo uso de agrotóxicos sem proteção em atividades agrícolas. Segundo informações da Embrapa, o Brasil é o líder mundial no consumo de agrotóxicos e utiliza pelo menos oito tipos de ingredientes tóxicos já banidos em outras partes do mundo.

Subcategorias